Cochonilha: combatendo a praga em suculenta

Cochonilha em Suculenta

Muitos consideram a cochonilha como inimiga número um das plantas. E não sem motivo. Essa praga é capaz de, sozinha, destruir uma suculenta em pouquíssimo tempo, se não combatida.

Esses insetos são persistentes e bastante evoluídos. Possuem, em seu modus, uma série de contramedidas que os fazem um verdadeiro pesadelo para cultivadores.

Uma vez em contato com a suculenta, o tratamento deve ser imediato. Caso contrário, os danos podem ser irreversíveis.

Em outras plantas, a poda possui grande poder, como fator de controle. Todavia, nos tipos de suculenta e cactos, a história muda bastante.

Hoje, dedicaremos um bom tempo à cochonilha. Apresentaremos estratégias de prevenção e extermínio do artrópode destruidor de suculentas.

Ainda que não esteja a padecer com a cochonilha, acompanhe-nos até o fim. Hora ou outra, uma infestação pode ocorrer em seu jardim de cacto. É bom estarmos todos preparados.

Mãos à obra!

A natureza e ação da cochonilha

Cochonilha

Membro dos artrópodes, a cochonilha é um inseto sugador de seiva. Em geral, permanece com cerca de 3mm, na fase adulta.

Obviamente, esse fator torna bastante complicada a visualização da cochonilha. Para identificar uma infestação, focaremos mais nos vestígios e pegadas de sua presença.

Ainda sobre sua biologia, as cochonilhas são primas das cigarras, percevejos e do pulgão. Todos pertencem à superfamília dos hemíptera.

Quanto à cor, a diversidade é grandessíssima. Sendo parasitas, as adaptações evolutivas são constantes. Elas baseiam-se na longevidade e reprodução dos insetos.

Por isso, a depender da região, a cochonilha pode apresentar coloração diversa. Há entes amarronzados, cinzentos e amarelos. Tudo depende de seu sucesso reprodutivo.

A cochonilha é proveniente do México. Lá, o clima quente e seco favorece seu serviço maléfico.

Justamente por isso, suculentas e cactos são presas fáceis. Ela se alimenta de sua seiva, perfurando os tecidos e roubando água e nutrientes de lá.

Mas não se aflija. Exporemos, a partir daqui, métodos de identificação, prevenção e combate da cochonilha. Com zelo e técnica, ela não terá sucesso com suas plantas.

Identificando uma infestação de cochonilha

Quanto antes identificarmos a infestação de cochonilha, melhor. Por isso, é determinante estarmos sempre atentos às nossas suculentas e cactos.

Mais do que visualizarmos o inseto, devemos estar atentos a seus sinais.

Entre os principais sinais, temos:

  • Presença de pontos brancos, semelhantes a pequenas bolas de algodão: tratam-se de ovos de cochonilha depositados na planta;
  • Aspecto encerado dos tecidos da suculenta: contramedida constante da cochonilha, visando impedir a ação de seus predadores naturais;
  • Aparição de manchas carmim: quando naturalmente combatida, a cochonilha excreta uma substância nesta cor;
  • Perda de viço e aparição de pontos fúngicos: a cera preventiva da cochonilha é promotora do aparecimento de fungos e outras colônias de bactérias, nos tecidos da planta.

 No entanto jamais espere o adoecimento e surgimento de fungos para agir. Identificando os primeiros sinais, comece o combate. Nosso objetivo é, definitivamente, exterminar a ameaça.

E precisamos garantir que o façamos antes de a suculenta estar comprometida. Reações tardias podem, já, não ser efetivas. Portanto, atenção!

Especialmente em suculentas, cuidado com os pontos ocultos

Algumas suculentas possuem muitos pontos cegos, em seus tecidos. A cochonilha pode começar seu trabalho nestes locais.

Sendo de difícil identificação, é bom examinar periodicamente a suculenta. Uma lupa pode tornar o trabalho mais simples.

O cuidado deve ser redobrado em suculentas do tipo sedum e florais. Afinal, os segmentos desenvolvem-se a partir de um caule comum. Lá, a cochonilha pode agir furtivamente.

Quando o assunto é cochonilha, prevenir é melhor que remediar

Prevenir a cochonilha é muito menos tormentoso que combate-la. Desse modo, evitamos previamente qualquer dano a nossas queridas plantas.

Importa muito saber que, simultaneamente, tendo o controle de tudo, fazemos duas coisas. A primeira é a manutenção da saúde de nosso ambiente. A segunda, a prevenção da cochonilha.

Afinal, garantir ambientes salutares é ainda mais interessante do que só prevenir pragas. Neles, teremos o melhor de muitos mundos. O exemplo perfeito é a suculenta com flor.

Suculentas e cactos não floram se não estão plenos. E o que há de mais belos que vê-los ornados dessas maravilhas naturais?

Assim, reforço e acrescento: prevenir é infinitamente melhor que remediar. E ensino como.

O principal fator é a manutenção do solo ou substrato para suculenta. Seja em jardins ou vasos, a fonte de nutrientes e hidratação deve ocupar boa parte de nossa atenção.

Terra muito adubada ou pobre demais; terra excessivamente seca ou inundada, tudo favorece o surgimento da cochonilha.

Ainda, ninguém melhor que natureza para regular-se por sua própria conta. Um ambiente equilibrado trata de seus próprios excessos.

Embora seja uma ameaça terrível, a cochonilha possui predadores naturais. Joaninhas, vespas, percevejos e larvas de moscas são exércitos poderosos contra elas.

No entanto certas medidas são terríveis contra todos eles. Dedetizações agressivas e pesticidas acabam com estes animais. Porém, contra a cochonilha, possuem pouco ou nenhum efeito.

Desse modo, prefira uma atitude diferente em relação a suas plantas. Permita que a natureza se regule por si. Fazendo-o, talvez nem seja necessário temer o parasita. Tudo bem?

Cochonilha em Suculenta

Quando não há outro jeito: combatendo a cochonilha

 Mesmo que você se previna, o acaso é senhor do mundo. Eventualmente, você terá contato com a cochonilha, e precisará agir.

Nestes casos, o ideal é declarar guerra, e a sério! Afinal, um único adulto vivo pode, sozinho, infestar novamente seu cultivo.

Ao localizar uma cochonilha, trabalharemos em sua asfixia. Os métodos que utilizaremos são excelentes contra a praga. Todavia não agridem outros insetos nem a planta, em si.

Aqui, óleo mineral, óleo de neem, sabão em barra, fumo e própolis serão de grande ajuda. Eles envolverão a cochonilha, impedindo sua movimentação e respiração.

Ainda, possuem efeito bactericida e antifúngico. Simultaneamente, combaterão o inseto e as consequências colaterais de sua ação.

Comecemos com os óleos.

Óleo mineral e óleo de neem diluídos no combate da cochonilha

O óleo mineral é um subproduto do petróleo. Pode ser facilmente encontrado em drogarias, por seu efeito laxante.

Já o óleo de neem é de origem vegetal. Muitos cultivadores o reconhecem como um exemplar pesticida orgânico e sem contrapartidas. Isso o torna uma alternativa magnífica.

Para comprar o óleo de neem, basta visitar casas de jardinagem. Os valores de ambos fica entre os R$ 13,00 e R$ 25,00.

Para os dois tipos de óleo, diluiremos uma tampinha (10mg) em um litro d’água. A receita possui custo-benefício excelente por ser econômica e super efetiva.

Feito o procedimento, basta passar parte da mistura para um borrifador. Você aplicará a solução diretamente sobre os tecidos da suculenta, priorizando as áreas já afetadas.

A água servirá de transporte para o óleo, que se fixará na colchonilha, asfixiando-a. Ovos e colônias de fungos também sofrerão o mesmo.

Contudo lembre-se: a aplicação deve ser feita fora do sol, preferencialmente à noite. Caso contrário, o calor pode saturar o óleo, causando danos à suculenta.

A recorrência das aplicações deve ser semanal. Em média, um mês é suficiente para o controle total da infestação.

Neste tempo, se possível, proteja a planta de sol pleno. Mova-a para um lugar arejado e naturalmente iluminado indiretamente.

Própolis

O própolis possui um efeito similar ao da receita com uso de óleo. A substância encobre a cochonilha, causando asfixia.

Todavia não temos o mesmo efeito fungicida com o uso do própolis. Por outro lado, o risco de queimadura, quando em contato com o sol, é consideravelmente menor.

A proporção é a seguinte: duas colheres (de chá) de própolis para um litro d’água, nas primeiras aplicações. Ao passo do tratamento, pode-se utilizar menos própolis.

Sabão em barra contra a cochonilha

De todas, esta é a receita mais fácil e barata. Afinal, o componente principal é o sabão em barra, de fácil acesso para qualquer pessoa.

Aqui, faremos a diluição de uma barra de sabão em cerca de dois litros d’água. Prefira sabão de coco ou neutro. Eles não agredirão a planta, mas serão ótimos contra a cochonilha.

Para facilitar a mistura, rale a barra de sabão. Ao colocá-la na água, trabalhe para que produzam uma pasta consistente, porém ainda líquida.

Pulverize a solução sobre a suculenta longe do sol pleno. O ideal é aplicar abundantemente a mistura em todas as regiões afetadas.

Fumo contra colônias de fungos e bactérias

Quando a cochonilha já fez estragos, fungos e bactérias começam a atacar a suculenta. Se suas colônias já estão avançadas, o fumo poderá ser interessante.

Utilizaremos um pedaço de fumo macerado misturado um litro d’água. Deixe a mistura descansar, para curtir adequadamente.

Mais tarde, acrescente uma parte deste caldo a uma das receitas anteriores. Enquanto a outra substância combate a cochonilha, o fumo trata as colônias bacterianas.

Uma dica para casos extremos

Em situações extremas, as receitas acima podem ter efeito tardio. Assim, precisaremos ser mais agressivos, ainda que coloquemos a suculenta em perigo.

Porém tenha em consideração: esta dica é recomendada apenas em casos verdadeiramente gravíssimos. Evite-o, se possível, preferindo as outras indicações que demos.

Com ajuda de um cotonete embebido em álcool, esfregue os locais onde encontrar a cochonilha e seus esporos. Contudo cuidado com os tecidos saudáveis da planta.

Após ação minuciosa, deixe a suculenta descansar longe do sol. Um ou dois dias após a manobra, inicie um tratamento menos agressivo.

Com essas receitas e dicas, você superará facilmente o problema da cochonilha. A partir daí, bastará assumir uma postura preventiva, e seu jardim estará a salvo.

Esperamos que tenha gostado. E, mais do que isso, que você tenha sucesso absoluto, quando em contato com a cochonilha.

Esteja sempre por aqui. E não deixe de visitar nossos outros conteúdos. Há bastante conteúdo interessante para você crescer no conhecimento sobre nossas queridas suculentas.

Portanto, até mais! Foi um prazer imenso ajudar você!

Conteúdo

Relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *